quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Dado Dolabella é preso. Aécio vai visitá-lo?

Por Altamiro Borges

No início da tarde desta quinta-feira (17), o ator Dado Dolabella foi preso por falta de pagamento de pensão alimentícia. De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio de Janeiro, ele já acumula uma dívida de R$ 196.397,54 com o filho Eduardo Neves Dolabella, fruto de seu relacionamento com Fabiana Vasconcelos Neves. “A polícia informou ainda que, caso o ator não quite sua dívida, ele será encaminhado para o presídio”, relata o site UOL. A notícia deve ter chateado o cambaleante Aécio Neves, que também está envolvido em vários rolos. Nas eleições presidenciais de 2014, o ator projetado na nova "Malhação" da TV Globo foi um militante aguerrido – e agressivo – da sua campanha. Será que o tucano irá visitá-lo na cadeia?

O “prefake” turista e a fúria de Alckmin

Foto: Luisa Medeiros/Jornalistas Livres
Por Altamiro Borges

A ambição eleitoral do “não-político” João Doria, que nem bem chegou à prefeitura de São Paulo e já almeja ser presidente do Brasil, pode lhe custar caro. A própria mídia privada, que na sua obsessão doentia contra o PT apoiou o ricaço nas eleições de outubro passado, começa a explicitar a mal-estar contra o “prefake”, que abandonou a capital paulista e gasta boa parte do seu expediente em viagens de campanha para outros Estados. O mais irritado com as andanças eleitoreiras de João Doria, porém, é o seu padrinho político, o governador tucano Geraldo Alckmin. O “picolé de chuchu” está sendo traído à luz do dia por sua criatura, mas parece que já prepara o contra-ataque. E a vingança pode ser maligna, como dizia um personagem da tevê.

Cadê os servidores públicos indignados?

Por Altamiro Borges

Nas marchas golpistas pelo impeachment de Dilma Rousseff, a mídia sempre deu destaque para a participação dos segmentos mais abastados do funcionalismo público. Em Brasília ou no Rio de Janeiro, que concentram muitos assalariados do setor, eles se mostraram os mais agressivos no “ódio ao PT” – segundo o noticiário. Concretizado o golpe dos corruptos, que alçou ao poder a quadrilha de Michel Temer, os servidores públicos agora estão na linha de tiro do Judas. O usurpador já anunciou que congelará salários e demitirá trabalhadores, entre outras maldades do seu ajuste fiscal. Será que a categoria, composta de distintas camadas, demonstrará agora o mesmo nível de indignação do passado recente? A conferir.

Doria abandona SP em pleno expediente

Doria em Palmas/TO. Foto: reprodução
Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

Já que o historiador reaça Marco Antonio Villa não fiscaliza mais a agenda do prefeito como fazia com o petista Fernando Haddad, o site foi verificar se o “João Trabalhador”, como o atual “gestor” da capital paulista se autodenomina, está de fato pegando no batente.

Surpresa: entre segunda-feira e hoje, quarta-feira, o tucano João Doria deixou São Paulo nas mãos sabe-se lá de quem (do vice Bruno Covas? Da primeira-dama Bia Doria? Da sorte?) e passou o dia inteiro em duas outras capitais do país. Na segunda, esteve em Palmas, no Tocantins. Lá, teve intensa programação e inclusive atividade político-partidária em pleno expediente, o que é no mínimo imoral. E olha que Doria diz que “não é político”. Imagina se fosse…

Cortes do Orçamento ameaçam a soberania

Por Jô Morais e Pedro Oliveira, no Blog do Renato:

A sociedade brasileira vem escutando, perplexa, sucessivos alertas dos comandantes das Forças Armadas informando a dramática situação em que se encontra o seu funcionamento, diante do contingenciamento dos seus recursos orçamentários, na ordem de 43,5%, só neste ano de 2017.

O atual contingenciamento só agravou uma situação que já vinha ocorrendo com a redução dos recursos “discricionários” do orçamento destinado às Forças Armadas nos últimos anos. Do montante de R$ 17,5 bilhões em 2012, chegamos a R$ 9,7 bilhões no ano de 2017, recursos disponíveis para além da manutenção cotidiana.

O professor Gilmar Mendes faz escola

Por Rodrigo Martins, na revista CartaCapital:

Notório apreciador dos holofotes, Gilmar Mendes não se cansa de tentar influir no jogo político. Na segunda-feira, 7, em entrevista à Rádio Gaúcha, o ministro do Supremo Tribunal Federal voltou a defender a revisão do acordo de colaboração premiada firmado pela Procuradoria-Geral da República com os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS.

Com o seu peculiar destempero, o magistrado foi além: descreveu o procurador-geral Rodrigo Janot como o “mais desqualificado” da história a assumir a chefia do Ministério Público Federal.

No pós-Temer, a verdadeira herança maldita

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Depois do golpe que derrubou a presidente eleita Dilma Rousseff, o entorno de Temer começou a falar em “herança maldita”, numa referência ao déficit fiscal que hoje nem faria cócegas do mega-rombo que Temer e Meirelles programaram para este ano e para os próximos, de modo que até 2020 as contas públicas ainda estarão comprometidas. Depois que Temer se for, pois não há mal que sempre dure, o novo governo e o Brasil continuarão pagando caro pela verdadeira “herança maldita” que eles vão deixar.

Tirem Lula, senhores, e terão Bolsonaro

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A pesquisa publicada hoje pelo Poder360 mostra um cenário que deixa bem claro o que está diante do país.

Lula, depois da condenação de Sérgio Moro, cresceu de maneira significativa – e a metodologia de pesquisa por telefone adotada na pesquisa autoriza a dizer que, pelo seu perfil eleitoral, o número é maior – e atinge um terço do eleitorado brasileiro.

Retira-lo, portanto, da disputa eleitoral por uma manobra judicial significa colocar a eleição num quadro de ilegitimidade que, quando se considera o número de nulos e brancos, atinge mais da metade da população.

Onze teses sobre a Venezuela

Ilustração: Iván Lira
Por Juan Carlos Monedero

“E ele se empenhava em repetir a mesma coisa: ‘Isso não é como numa guerra... Em uma batalha você está com o inimigo na tua frente... Aqui, o perigo não tem rosto nem horário’. Ele se negava a tomar soníferos ou calmantes: ‘Não quero que me peguem dormindo ou sonolento. Se vierem, eu vou me defender, gritar, jogar os móveis pela janela... Farei um escândalo...”. (Alejo Carpentier, La consagración de la primavera)

1. Com toda a certeza, Nicolás Maduro não é Salvador Allende. E também não éHugo Chávez. Mas aqueles que deram o golpe contra Allende e contra Chávez são, e sobre isso também não há dúvida alguma, os mesmos que agora estão buscando um golpe na Venezuela.

Rombo de Temer e o arrocho contra o povo

Editorial do site Vermelho:

O governo ilegítimo e impopular de Michel Temer caiu no buraco que ele próprio cavou. O arrocho fiscal, aprofundado desde que assumiu o governo através de um golpe, em 2016, provocou uma assombrosa queda na arrecadação, que avassalou suas contas e o obrigou, pouco mais de um ano depois, a propor um rombo fiscal de R$ 159 bilhões, R$ 20 bilhões maior que o já gigantesco aprovado no ano passado. O rombo previsto por Temer para 2018 será também de outros R$ 159 bilhões.

O futuro e o desemprego

Por Clemente Ganz Lúcio, no site Brasil Debate:

O ritmo de fechamento de postos de trabalho diminuiu no primeiro semestre de 2017, com a economia no fundo do poço, após uma queda de mais de 9% do PIB per capita e mais de 14 milhões de desempregados, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A taxa de desocupação ficou em 13,7% no primeiro trimestre deste ano (em 2014, chegou a 6,5%) e em 13% no segundo, primeira queda estatisticamente significativa desde 2014. O mercado de trabalho brasileiro tem quase 104 milhões de pessoas, 90,2 milhões de ocupados ou empregados e outros 13,5 milhões de desempregados.

PSDB se esconde no próprio vídeo

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

O esforço do PSDB para apresentar-se ao país como um partido bonzinho ao longo de um vídeo melodramático de dez minutos é um recorde universal de mistificação política.

Numa demonstração definitiva de que os personagens reais do partido de Fernando Henrique Cardoso e Aécio Neves, José Serra e João Dória, Geraldo Alckmin, Beto Richa e tantos mais não só enfrentam uma guerra interna profunda, mas não têm a menor credibilidade para falar olho no olho para a grande maioria de brasileiros, o partido preferiu empregar rostos anônimos que lembram pessoas comuns para encenar sua mensagem política.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Jovens abandonam a TV Globo

Por Altamiro Borges

Nesta semana, duas reportagens confirmaram a crise do modelo de negócios das emissoras de televisão. As audiências despencam e, como efeito, os milionários anúncios em publicidade também desabam. As causas são variadas – como a perda de credibilidade dos veículos e os erros de gestão dos patrões incompetentes. Mas a principal razão parece ser a explosão da internet, esta brecha tecnológica que abriu novas opções de informação e entretenimento para a sociedade. Já os efeitos nas empresas são dramáticos, com a demissão de jornalistas, o arrocho salarial e a precarização do trabalho. Os latifundiários da mídia não ficam mais pobres. Eles jogam a crise nas costas dos trabalhadores e mantêm os seus elevados lucros. Não é para menos que os três filhos de Roberto Marinho seguem na lista dos maiores ricaços do país, segundo o ranking anual da revista Forbes.

Nem os jornalistas acreditam na mídia

Por Altamiro Borges

Pesquisa feita pelo “Projeto Credibilidade”, que é o capítulo nacional do “Trust Project” – um consórcio que reúne 70 veículos de mídia de vários países, entre eles a Al Jazeera, The New York Times, La Stampa e até o Google –, concluiu que nem os jornalistas brasileiros acreditam nos veículos de comunicação em que trabalham. Segundo o levantamento, apenas 17,9% dos profissionais entrevistados concordam completamente que “o jornalismo fornece uma narrativa verdadeira dos eventos e questões diárias num contexto que explica seus significados”; 31,1% disseram concordar parcialmente; 37,2% não concordam nem discordam e 10,3% discordam parcialmente. A opção “discordo completamente” foi assinalada por 3,5%.

Brasil, a ditadura perfeita

Por Gilberto Maringoni, em seu blog:

Mario Vargas Llosa uma vez classificou a hegemonia de mais de sete décadas do Partido Revolucionário Institucional no México como “a ditadura perfeita”. O escritor peruano, que nada tem de esquerdista, admirava-se com a completa hegemonia do PRI sobre todas as instituições públicas, meios de comunicação e empresas do país, que não passou – formalmente – por períodos abertamente autoritários, como Brasil, Argentina, Chile e quase toda a América Latina.

A violência no México sempre foi legal e funcionou como máquina de moer carne dentro das mais estritas normas republicanas.

Michel Temer e seu nó fiscal

Por Paulo Kliass, no site Carta Maior:

As últimas semanas têm sido marcadas por um verdadeiro movimento de vai-e-vem nas declarações oficiais relativas ao imbróglio fiscal que avassala nosso País. Porém, é forçoso reconhecer que essa onda de hesitação em assumir o inevitável é bastante compreensível. Afinal, a narrativa dos defensores do financismo sempre assegurou amplamente que a solução era simples. Bastaria tirar a Dilma para que todas as dificuldades se transformassem em oportunidades para o retorno de nossa economia a uma suposta normalidade.

Um golpe sustentado pelo medo

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

Muitos analistas, profissionais e de botequim, tem se perguntado porque a população não reage aos desmandos do governo. A pesquisa Ibope divulgada há pouco, cuja íntegra se encontra no site do instituto, explica as razões da paralisia política do povo. É pavor. O gráfico mostra um povo completamente aterrorizado pelo desemprego. 46% tem “muito medo” do desemprego, outros 23% tem “um pouco de medo” e 13% já está desempregado. Ou seja, temos 46%+23%+13% = 82% da população sob os efeitos paralisantes do medo das consequências sociais trazidas pela falta de um trabalho.

O que já era mentira, virou escândalo!

Por Dilma Rousseff, em seu site:

Antes do golpe, meu governo previa déficit de R$ 124 bi para 2016 e de R$ 58 bilhões para 2017, que seriam cobertos com redução de desonerações, a recriação da CPMF e corte de gastos não prioritários.

Após o golpe, a dupla Temer-Meirelles, apoiada pelo “pato amarelo”, que não queria saber da CPMF por onerar os mais ricos, inflou a previsão de déficit para R$ 170 bi, em 2016 e R$ 139 bi, em 2017.

Os golpistas calculavam ganhar uma grande folga para facilmente cumprir a meta e, com isso, fazer a população acreditar numa competência que eles não tinham.

Temer e a destruição do Estado nacional

Por Hylda Cavalcanti e Paulo Donizetti, na Rede Brasil Atual:

O Congresso Nacional, depois de rejeitar a denúncia de corrupção contra o presidente Michel Temer, trabalha agora para manter a base e conseguir aprovar as reformas política e da Previdência, entre outros projetos de interesse das bancadas empresariais e ruralistas. Parlamentares e cientistas políticos avaliam a manutenção de Temer como parte de um projeto de poder impossível de ser conduzido de maneira democrática e com respeito ao voto popular. O planejamento em curso une parte do poder econômico e financeiro e suas ramificações nos Poderes Executivo, Legislativo e no Judiciário.

O preço da austeridade de Temer

Por Helena Borges, no site The Intercept-Brasil:

Qual o preço da austeridade? Em dezembro do ano passado, o governo pagou aos deputados federais o valor recorde de emendas parlamentares da série histórica iniciada em 2015, quando os dados se tornaram públicos. De uma tacada só, foram gastos R$ 2 bilhões. O montante foi recebido pela Câmara junto a outro pacote: as matérias das duas principais reformas que seriam votadas neste ano – a da Previdência e a Trabalhista. A estratégia é repetida por Temer desde que os deputados tiraram Dilma Rousseff da presidência e o colocaram no lugar.

Direita xucra ignora os crimes de Hitler

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

“Dizer que o nazismo foi de esquerda é uma grande ignorância da História e de como as coisas aconteceram”, segundo Izidoro Blikstein, professor de Linguística e Semiótica da USP e especialista em análise do discurso nazista e totalitário disse recentemente à BBC.

Na verdade, é mais do que isso. Não é só ignorância. Não raro, essa releitura histórica absurda é espargida por nazistas “naturais” que não sabem que são nazistas – e muito menos o que foi o nazismo.

O nazismo entrou em pauta por conta dos choques de neonazistas e supremacistas brancos contra grupos antirracistas na cidade universitária norte-americana de Charlottesville.

Dívida pública, inflação e o mito neoliberal

Por Marcio Pochmann, no site da Fundação Maurício Grabois:

A ascensão da equipe atual dos sonhos do mercado financeiro fez concentrar o problema da inflação no comportamento quase exclusivo do déficit e da dívida pública. A aceleração do nível de preços que atingiu 10,7% no ano de 2015 devido ao choque de custos oriundo da desvalorização cambial, do aumento tributário e da liberalização de aumento nos preços administrados, como dos combustíveis, serviu de referência para explicitar a relação convergente entre inflação e déficit e dívida pública.

O fascismo dos nossos tempos

Por Paulo Silveira, no site Jornalistas Livres:

No segundo turno da última eleição presidencial, na fila de espera para votação, num bairro ocupado pela alta burguesia da cidade de São Paulo, ouvi rapazes galhofeiros afirmarem que, se Dilma Rousseff fosse reeleita, grupos organizados através das redes sociais a arrancariam à força do poder! Um ano e meio depois, sem precisar fazer uso da agressão física, mas não sem deixar de exibir a prepotência que lhes é peculiar, esses grupos contribuíram para a deposição da presidenta.

Um país que perdeu o medo do ridículo

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Em São Paulo, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima discorre sobre história do Brasil. Fala dos degredados que incutiram nos brasileiros a malandragem atávica, poupando apenas os procuradores.

Em algum lugar do Brasil, o Ministro Luís Roberto Barroso cita Faoro e Buarque e o grande pensador Flávio Rocha, dono das Lojas Riachuelo, para discorrer sobre reforma trabalhista e sobre a malandragem brasileira, que poupou apenas o Supremo

No Twitter, o procurador Hélio Telho rebate o economista Paulo Rabello de Castro e diz que ele (Telho) precisa ensinar capitalismo de verdade a esses capitalistas de compadrio.

O país da Casa-grande

Por Luiz Gonzaga Belluzzo, na revista CartaCapital:

Desde a transição democrática de meados dos anos 80, o povo brasileiro contempla, entre perplexo e cada vez mais desencantado, o espetáculo da mudança sem esperança ou, como dizia um crítico de Adorno, “a realização das esperanças do passado”.

Assim os senhores da terra concebem o progresso. As eleições diretas sucumbiram diante do Colégio Eleitoral. A nau de Ulysses encalhou nas praias do transformismo e os náufragos do regime militar saltaram alegremente para bordo.

Veja é multada em R$ 100 mil por calúnia

Por Joaquim de Carvalho, no blog Diário do Centro do Mundo:

O geólogo Guilherme Estrella, que foi diretor de Exploração e Produção da Petrobras nos governos Lula e Dilma e um dos pioneiros na pesquisa que levou à descoberta de petróleo no pré-sal no mar territorial do Brasil, venceu uma disputa judicial que travava com a revista Veja por causa de duas reportagens publicadas em abril de 2014, quando era intenso o noticiário em torno da Petrobras e a Lava Jato.

Ele foi acusado de receber “propina paga por uma fornecedora holandesa da Petrobras”. A fonte da informação era um suposto depoimento do publicitário Marcos Valério - depoimento que nunca apareceu - e uma sindicância da empresa, que existiu, mas que não tinha nenhuma relação com Estrella.

O Brasil em liquidação para salvar Temer

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O Poder360 traz a lista daquilo que, em pouco mais de um ano, o governo Temer quer vender para, ainda assim, continuarmos com um rombo gigantesco nas contas públicas.

Vender e vender correndo, a toque de caixa, sem produzir, sequer, algum benefício para o funcionamento dos serviços públicos.

Reproduzo a lista escandalosa [aqui].

Nem, assim, porém, as contas estão fechando, porque o país, paralisado, arrecada menos e menos.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Desemprego dizima 15 vagas por hora em SP

Por Altamiro Borges

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgou nesta semana um dado assustador sobre a alta do desemprego na região metropolitana de São Paulo – hipoteticamente, a mais desenvolvida do país. Segundo o levantamento, a região fechou, entre janeiro e junho deste ano, 15 vagas por hora, ou 364 postos por dia. Ao todo, são 66 mil postos de trabalho dizimados no primeiro semestre. O jornal Agora deste domingo (13) ouviu algumas destas vítimas. Mesmo jurando que a economia está melhorando – sabe-se lá para quem – o diário do Grupo Folha expôs o drama dos sem-emprego.

Bolsonaro é multado. Devia ser cassado!

Por Altamiro Borges

Por quatro votos a zero, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve nesta terça-feira (15) a decisão que determinou que o fascista Jair Bolsonaro (PSC-RJ) pague indenização à deputada Maria do Rosário (PT-RS) por danos morais. Ele já havia sido condenado em duas instâncias da Justiça pelo crime de incitação ao estupro. Em dezembro de 2014, ele disse no plenário da Câmara Federal – e depois reafirmou ao jornal gaúcho Zero Hora – que não estupraria a parlamentar porque “você não merece”. Ele recorreu da decisão e agora perdeu novamente. A multa aplicada é de apenas R$ 10 mil – um valor insignificante para o deputado que é apoiado pela indústria das armas, pelos ruralistas e outros ricaços reacionários.

As medidas para barrar a desindustrialização

Por Railídia Carvalho, no site Vermelho:

“Hoje trabalhadores e empresários industriais estão excluídos no Brasil”, afirmou o ex-ministro e professor da Fundação Getúlio Vargas, Bresser-Pereira, durante o debate “Indústria e Desenvolvimento” nesta terça-feira (15), em São Paulo. Clemente Ganz, do Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Econômicos (Dieese) e Marilane Teixeira, pesquisadora da Unicamp, também foram palestrantes do evento organizado pela Fitmetal e pela CTB.

Dados do Dieese apontam que 2017 pode ser o 4º ano consecutivo de queda no emprego metalúrgico, fato inédito entre a categoria. A queda na produção industrial extinguiu 326 mil empregos no ano passado. A indústria automobilística voltou a patamares de produção registrados em 2005.

Regulação da mídia é censura?

Aspectos ditatoriais no Brasil de hoje

Por Ana Luíza Matos de Oliveira, no site Brasil Debate:

Por que um continente com tantas riquezas como a América Latina tem tanta pobreza? Bernardo Kliksberg em seu livro “Como enfrentar a pobreza e a desigualdade? Uma perspectiva internacional”, publicado pela Editora Fundação Perseu Abramo, tenta recolocar no debate essa questão. A resposta do autor é que os índices de pobreza estão ligados à desigualdade, ou melhor, existe pobreza porque existe desigualdade. Inclusive, o autor aponta que se as ditaduras militares na América Latina não tivessem promovido um modelo de desenvolvimento que propiciasse o crescimento da desigualdade, ao fim destas ditaduras a quantidade de pessoas que padeciam da pobreza teria sido a metade na região.

Nenhum tucano preso na Lava Jato; nem será!

Por Daniel Giovanaz, no jornal Brasil de Fato:

Uma das principais críticas à operação Lava Jato é a seletividade. Ou seja, a ideia de que os juízes e procuradores interpretam os indícios de maneira diferente, conforme o nome do réu ou o partido político envolvido nas denúncias.

PT, PSDB e PMDB foram os que mais receberam dinheiro de empresas citadas na Lava Jato. Os partidos se defendem dizendo que as doações foram feitas conforme a lei. Entre os três mais citados, apenas o PSDB não teve nenhum dos membros preso.

O senador Aécio Neves é o único político tucano com abertura de inquérito solicitada pela Procuradoria Geral da República. E os indícios contra ele não são poucos.

A Marina Silva que se esconde nos detalhes

Por Renato Rovai, em seu blog:

O sociólogo Luiz Eduardo Soares concedeu entrevista a BBC Brasil na qual trata da sua frustração em relação à parceria que teve com a ex-senadora Marina Silva.

Soares foi o primeiro presidente da Rede no Rio de Janeiro e apoiou Marina na eleição de 2014, tendo papel destacado na sua campanha.

Na opinião de Soares, ao decidir pelo apoio ao impeachment de Dilma, a ex-senadora jogou fora suas possibilidades de ser uma candidata com chances reais em 2018.

A culpa não é do povo

Por Caio Botelho, no site da UJS:

Os retrocessos civilizacionais em curso no Brasil são imensos e o governo golpista liderado por Michel Temer conta com a repulsa da quase unanimidade dos brasileiros, de acordo com as recentes pesquisas de opinião. Diante desse cenário, não é estranho perguntar: onde está, afinal, o povo? Como se mantém silente mesmo quando estão em jogo questões tão fundamentais, como os direitos trabalhistas e a garantia de sua aposentadoria?

Sem meias palavras: nazismo, nunca mais

Por Francisco Carlos Teixeira, no site Carta Maior:

Depois de seguidas manifestações de ódio racial, de gênero – misógino, feminicídio, homofobia, transfobia –, de brutais preconceitos contra regionais brasileiros, em especial nordestinos em grandes cidades do Sul-Sudeste, e agora de refugiados haitianos e sírios no Brasil, vimos com espanto o toque de reunir dos neonazistas na cidade de Charlottesville, na Virgínia, Estados Unidos.

Na Europa, Alemanha, Polônia, Hungria, Letônia, Ucrânia e Áustria são assoladas por grupos cada vez mais explícitos, numerosos e fortes, de homens e mulheres, que defendem uma agenda claramente fascista, ou mesmo nazista: claro ódio aos judeus, aos negros, ao povo LGBT, a tudo que surge como uma forma de alteridade – um outro, o “alter”, que deve ser negado e anulado em face de um “Nós” homogêneo, racialmente “limpo” e “superior”.

É o petróleo, estúpido!

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

Hoje eu me deparei com um texto no blog do Nassif, assinado pelos economistas Leonardo Guerra e Günther Borgh, comentando a tal “conta petróleo”, que teria ficado positiva nos primeiros sete meses do ano. Fui pesquisar melhor o assunto e vi que essa conta-petróleo é um dado que a imprensa brasileira vem divulgando sem oferecer mais detalhes ao público e sem pedi-lo também ao governo.

No sistema Alice, o banco de dados oficial do Ministério da Indústria e Comércio Exterior, aberto e público, não encontrei nenhum superávit.

Crimes contra a vida da dupla Alckmin-Doria

Por Alexandre Padilha, na revista Fórum:

Nesta semana nem a mídia tradicional, que elegeu e mantém a dupla tucana Alckmin-Doria, conseguiu esconder. As capas de dois jornais de grande circulação em São Paulo mostraram a insanidade das medidas adotadas por ambos contra a segurança das pessoas: “Mesmo com ações policiais, cresce o número de roubos na região da Cracolândia” – Estado de S. Paulo, 07/08. “Apenas 17% concluem internação em ação anticrack da gestão Doria” – Folha de S. Paulo, 08/08.

A política econômica de Temer fracassou

Por Eduardo Maretti, na Rede Brasil Atual:

A equipe econômica do governo Michel Temer vai refazer as contas para estabelecer nova meta de déficit de 2017 e 2018. Com receitas em permanente queda, o governo deve ampliar a meta do déficit deste ano, passando de R$ 139 bilhões para R$ 158 bilhões. Projeções também indicam que os investimentos do governo federal podem chegar ao final deste ano no menor nível em dez anos.

“Isso quer dizer que estamos na maior depressão da história econômica, maior do que a dos anos 30 do século 20. E, num cenário como esse, o investimento público tem que substituir o privado, porque o investimento privado é feito com base em expectativas do mercado. E numa depressão, as expectativas são muito negativas e pessimistas”, diz o professor do Instituto de Economia da Unicamp Fernando Nogueira da Costa.

O "outro mundo" da democracia brasileira

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

"É outro mundo". Foi essa a definição que a ex-ministra da Justiça da Alemanha, Herta Däubler-Gmelin, deu para o Brasil em sua passagem pelo país esta semana. Ela estava espantada com o fato de o presidente brasileiro não ter renunciado logo após a denúncia da PGR. Pobre, Herta. Mal sabe que isso é quase irrelevante perto da pornochanchada que tomou conta das instituições brasileiras.

Mas há quem acredite que está tudo normal. Quando a Câmara livrou Temer da denúncia de Janot por corrupção passiva, Gilmar Mendes comemorou a estabilidade que o engavetamento do caso trouxe ao país e ressaltou a normalidade do funcionamento das instituições: “Isso é uma questão da competência da Câmara. O sistema de ‘checks and balances’ (sistema de freios e contrapesos) está funcionando.”

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Sim, o Brasil pode se tornar uma Venezuela

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Não importa quantos fatos incontestáveis a gente mostre sobre a Venezuela, esse bando de energúmenos que se tornou especialista no país vizinho só por assistir a Globo se recusa a enxergar.

No último capítulo (no post anterior), esta página propôs a seguinte questão aos leitores: entre uma pesquisa usada por TODA A COMUNIDADE INTERNACIONAL como REFERÊNCIA para comparar a qualidade de vida entre os povos (O Relatório do Desenvolvimento Humano, apurado pelas Nações Unidas) e uma pesquisa desconhecida feita por grupos políticos venezuelanos, a qual delas você daria mais atenção?

Brasil regride no combate à fome

Por Ana Luíza Matos de Oliveira, no site da Fundação Perseu Abramo:

Versão-síntese do Relatório do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para Agenda 2030 sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) mostra resultados extremamente preocupantes para o Objetivo 2 (Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura).

O relatório relembra que o acesso aos alimentos pela população em situação de maior vulnerabilidade apresentou avanços significativos no Brasil ao longo das duas últimas décadas, o que levou o país a deixar de ter a marca da fome como uma de suas principais mazelas sociais. Para isso, o aumento da renda dos extratos sociais pobres e de extrema pobreza e melhores índices de emprego, formalização, elevação dos salários (particularmente do salário mínimo) e fortalecimento da transferência de renda para a população em maior vulnerabilidade foram fundamentais. Outros pontos importantes, segundo o relatório, foram:

Doria, Bolsonaro e a marcha fascistoide

Por Aldo Fornazieri, no Jornal GGN:

Algumas pessoas de esquerda e democratas bem pensantes se apressaram em condenar a ovada que o prefeito João Dória recebeu em Salvador. Na verdade, os manifestantes soteropolitanos devem ser parabenizados, pois Dória merece ser alvo de muitas ovadas por ser um elemento provocador, desrespeitoso, estimulador do ódio, usando frequentemente uma linguagem e práticas que resvalam para a arruaça política. Dória precisa ser tratado como inimigo, já que ele trata as pessoas progressistas e de esquerda como inimigas.

Prepotência da elite e resignação do povo

Por Mino Carta, na revista CartaCapital:

Ensina o professor Pedro Serrano que um Estado de Exceção pode permitir-se todas e quaisquer exceções. Tal a situação em que o Brasil precipita depois do golpe de 2016. E as exceções se multiplicam, cada vez mais daninhas. Não há lei que não possa ser desrespeitada, donde o primeiro resultado é a transformação da Justiça em injustiça. A exceção implica a cínica operação de legalizar o ilegal.

Não se justifica a surpresa, diante de um golpe perpetrado pelos Três Poderes da República com o apoio incondicional da propaganda midiática encabeçada pela Globo e de policiais transformados em jagunços da casa-grande. Deu no que deu e não se enxerga a mais pálida chance de mudança, muito pelo contrário. As máfias fazem o que bem entendem.

É o parlamentarismo, estúpido!

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

A campanha permanente contra a democracia brasileira adora criminalizar os gastos das campanhas eleitorais. Compreende-se.

Como sempre acontece quando se discute o direito do povo brasileiro escolher seus governantes, a ideia, mais uma vez, é não perder uma única oportunidade para alimentar um ambiente de denúncia contra a disputa pelo voto, os partidos políticos e a decisão do eleitor.

Nós sabemos muito bem aonde essa conversa pode terminar.

Recebida em clima de escândalo por aqueles que têm motivos inconfessáveis para temer um pleito no qual Luiz Inácio Lula da Silva aparece em primeiro lugar nas pesquisas, a proposta de Fundo Partidário de R$ 3,6 bilhões envolve muito dinheiro mas é até modesta.

A subjugação voluntária de Alckmin a Doria

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

O vídeo que Doria fez tentando desfazer a imagem de traidor de seu criador é das peças mais deprimentes na história recente da República.

A crônica política não dá conta de algo tão constrangedor. É trabalho para Nelson Rodrigues e Chico Buarque.

Doria, que está abertamente em campanha, chamou Alckmin para uma “homenagem”.

A conversa foi gravada no domingo, dia 12, no Palácio dos Bandeirantes, depois de uma semana de contatos políticos do prefeito turista.

A epidemia de ódio é o subproduto da crise

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

54 anos atrás – 28 de agosto de 1963 – negros e brancos marchavam em Washington e, nos degraus do Memorial Lincoln, Martin Luther King pronunciava seu discurso que a história batizaria de “I have a dream” proclamando a igualdade e a harmonia

Ontem, em Charlottesville, o pesadelo dos nossos tempos tomou forma em um multidão que marchava em direção contrária.

Não, não é distante, bizarro ou algo isolado e “folclórico” na sempre ressentida sociedade norte-americana.

O "jornalismo" misógino da revista IstoÉ

Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

Antes de mais nada, é preciso lembrar que a IstoÉ já foi a favor do PT, quando o partido estava no governo e engordava os caixas da revista com dinheiro público em forma de propaganda. Em agosto de 2010, em plena pré-campanha da então desconhecida Dilma Rousseff, a semanal da editora Três chegou ao cúmulo de ressuscitar um slogan ufanista da ditadura na capa para ajudar Lula a eleger sua sucessora.

Maquinações de Temer para continuar impune

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Temer só quer a Presidência para usá-la como biombo contra investigações por corrupção passiva no caso JBS. Se isso estava claro, mais evidente ficou a partir da defesa que ele andou fazendo, entre os mais chegados, da adoção de um “experimento parlamentarista de transição” já no ano que vem. Aprovado o sistema para vigorar a partir de 2019, ele entregaria o governo a um primeiro-ministro já em 2018.

Meta fiscal de Temer vai custar caro

Por Railídia Carvalho, no site Vermelho:

Clemente Ganz, diretor-técnico do Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese), afirmou que a condução econômica do governo de Michel Temer é “extremamente nefasta para a sociedade e traz um custo social enorme”. Ele se referiu à projeção da meta fiscal, que mais uma vez teve seu anúncio adiado pelo governo. O deficit a ser anunciado deve ser de R$ 159 bilhões para este ano, mas há quem defenda no governo que a revisão defina um deficit de R$ 170 bilhões.

De acordo com ele, a política econômica atual, baseada em ajuste fiscal e aprovação de reformas, vai retardar a retomada do crescimento. No rastro desse “equilíbrio nas contas” do governo virá um efeito cascata devastador.

Golpista da Saúde paralisa exames de HIV

Por Altamiro Borges

Enquanto investe uma fortuna na compra de deputados e presenteia a cloaca empresarial com várias benesses, a quadrilha de Michel Temer vai solapando os poucos avanços sociais dos últimos anos. Só no mês passado, o covil golpista reduziu em 543 mil o número de famílias beneficiárias do “Bolsa Família”. Já o programa “Minha Casa, Minha Vida” está parado, prejudicando até os “coxinhas” da tal classe média que participaram das marchas golpistas pelo impeachment de Dilma Rousseff. Em outras áreas sociais, o desastre também é assustador. Na quinta-feira passada (10), o jornal Agora estampou no título: “Falta de kits do Ministério da Saúde paralisa exames de HIV em São Paulo”.