segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

A luta pela democracia tem nome e data

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

A luta pela democracia tem nome e data : Lula, 24 de janeiro Poucas vezes o futuro de um país esteve tão claro do ponto de vista das classes sociais.

Os de baixo já tem um candidato para recuperar direitos: Luiz Inácio Lula da Silva. Por isso, lhe dão entre 37% e 45% de intenções de voto na sucessão presidencial. A vontade é garantir uma vitória já no primeiro turno e enterrar de vez a herança maligna de Michel Temer.

Os de cima não sabem o que fazer e tudo farão para impedir o retorno de Lula. Não têm um candidato capaz de respirar nas pesquisas. Precisam de uma eleição sem adversário real, pois têm uma herança nefasta a defender perante o eleitorado. 

Documentos inéditos incriminam a Globo

Conta do golpe trabalhista chega no Natal

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                                         

Resultado do poder do monopólio da mídia de produzir imbecilizados em série, o comportamento da grande maioria das pessoas durante o debate sobre a nova lei trabalhista oscilava entre a indiferença e a convicção de que aquelas mudanças não atingiriam suas vidas.

Embora todas as pesquisas registrassem uma forte desaprovação ao projeto de reforma do governo golpista, essa rejeição esteve longe de se traduzir no apoio necessário às mobilizações e protestos convocados pelas centrais sindicais e movimentos sociais.

"A legalidade nos mata", dizem os golpistas

Por Jeferson Miola
A antecipação forçada do julgamento do ex-presidente Lula pelo Tribunal Regional Federal [TRF4] é um movimento tático que poderá definir a dinâmica política do próximo período.

O objetivo estratégico da oligarquia golpista é evitar a vitória do Lula no pleito de 2018 a qualquer custo, porque a eleição dele poria fim ao golpe e ao regime de exceção.

O golpe, com sua selvagem agenda anti-povo e anti-nação, não foi empreendido para durar pouco tempo; ainda resta muito para colonizar e pilhar por completo o país.

Bancários denunciam o desmonte do BB

Enviado por Cecília Negrão

O desmonte dos bancos públicos continua. Após tentativa de mudança estatutária na Caixa Econômica, pelo Conselho de Administração (CA) do banco, agora é a vez do Banco do Brasil. Nesta segunda-feira o Conselho do BB se reúne em Brasília e os bancários fazem ato em frente a uma unidade do banco, em frente ao Shopping Cidade São Paulo (Avenida Paulista, 1230), a partir das 11 horas.

“O banco vem anunciando, de forma velada, nova reestruturação, com mais desligamentos e fechamentos de agências em todo o país. A população precisam estar atenta e a categoria está mobilizada”, critica o diretor executivo do Sindicato e bancário do Banco do Brasil, Ernesto Izumi.

O jogo pesado pela 'reforma' da Previdência

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Desesperado para aprovar a reforma da Previdência, o governo lançou uma nova campanha publicitária caríssima e recheada de distorções. A principal mensagem das novas propagandas é a de que a reforma será feita para “combater privilégios”, o que é uma grande falácia. Como mostrou The Intercept Brasil, grandes privilegiados, como os militares, passarão incólumes.

Lições da amarga experiência chilena

Por José Reinaldo Carvalho, no blog Resistência:

O magnata direitista Sebastián Piñera foi eleito neste domingo para mais um mandato presidencial no Chile. Obteve 54,5% dos votos, contra 45,5% do seu adversário, o jornalista e senador Alejandro Guillier, da coalizão governamental de centro-esquerda. A abstenção, de 52%, claramente foi um fator que pesou no resultado final. Piñera se impôs em centros estratégicos, como a capital Santiago, onde a abstenção fez a diferença.

O declínio do império militar americano

Por Alfred W. McCoy, no site Outras Palavras:

Nos últimos 50 anos, os governantes norte-americanos estiveram absolutamente confiantes de que poderiam sofrer contratempos militares em lugares como Cuba ou Vietnã sem ter seu sistema de hegemonia global, sustentado pela economia mais rica e o mais sofisticado aparato militar do mundo, afetado. O país era, afinal, a “nação indispensável” do planeta, como a secretária de Estado Madeleine Albright proclamou em 1998 (e outros presidentes e políticos reiteraram desde então). Os EUA gozaram da maior “disparidade de poder” com seus pretensos rivais do que qualquer império que já tenha existido, como anunciou o historiador de Yale, Paul Kennedy, em 2002. 

Fã de Bolsonaro: punição ou internação?

Por Altamiro Borges

Na semana passada, um vídeo criminoso postado por uma doida chamada Flavia Cristina Abreu – que se diz apoiadora do fascista Jair Bolsonaro, fã do “justiceiro” Sergio Moro e sargento da Brigada Militar do Rio Grande do Sul – viralizou nas redes sociais. Ela prega abertamente o uso da violência contra os militantes sociais que planejam um protesto em Porto Alegre em 24 de janeiro – data do “julgamento” do ex-presidente Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Com o seu rosto transfigurado, a policial chama o petista de “Luladrão” e desafia os ativistas: “Venham que aqui vocês vão ver o que é o verdadeiro sangue farroupilha. Venham mortadelas, venham muitos porque aqui não vai ter mi-mi-mi, não vai ter choro. É linha, pau, gás e bomba”.

domingo, 17 de dezembro de 2017

Juíza multa trabalhador que se acidentou

Por Altamiro Borges

Foi postado neste domingo (16) no site da revista Veja, que deu o maior apoio à “reforma” trabalhista imposta pela quadrilha de Michel Temer: “Uma juíza de Canoas, Rio Grande do Sul, rejeitou pedido de um almoxarife que queria ser indenizado por causa de acidente quando estava a caminho do serviço. Ao perder a ação, o trabalhador foi condenado a pagar 20.000 reais de honorários ao advogado da empresa”. Ainda de acordo com o pasquim patronal, que reproduz informações do portal “Consultor Jurídico”, o trabalhador “terá um prazo de dois anos para se estruturar financeiramente. Se, ainda assim, ele não conseguir reunir o montante, a dívida será extinta”. Quanta bondade da juíza carrasca e da revista do esgoto.

As dúvidas sobre os ataques a Gilmar Mendes

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Confesso que ainda não entendi totalmente a ofensiva das semanais contra o Ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Do lado da Veja, é evidente que a munição foi fornecida pelos porões da Lava Jato. E é possível entender a motivação da revista, mordendo e assoprando, e tendo de se equilibrar entre recuperar a imagem, depois do desastroso período Eurípides Alcântara, e, ao mesmo tempo, fazer o jogo das fontes.

O TRF4 e o risco Bolsonaro

Por Mauricio Dias, na revista CartaCapital:

Caso o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, confirme a condenação de Lula em primeira instância, a Justiça fecha o premeditado ciclo para tentar evitar a volta ao poder do ex-presidente com a provável vitória na eleição de 2018.

Esta decisão, pena sem amparo em provas, pode tornar-se um fósforo riscado, capaz de incendiar o processo democrático. Lula, porém, não sairá sozinho de cena como supõem os aflitos que não gostam de democracia.

Brasil pode ter que racionar combustíveis

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

No governo Michel Temer, o Brasil teve o menor investimento público de todos os tempos, segundo a Instituição Fiscal Independente (IFI): 2% do PIB entre junho de 2016 e junho deste ano. A Petrobrás também cortou R$ 1 bilhão em investimentos este ano e paralisou obras em refinarias como a Comperj e a Abreu e Lima. O resultado do desastre começa a aparecer: mesmo com as fabulosas reservas de petróleo do pré-sal, o Brasil pode enfrentar um racionamento de combustíveis a partir de 2.025. 

Sem capacidade de refino, e com problemas de logística para importar gasolina, diesel e outros derivados para atender à demanda interna – que aumentará se o país em algum momento voltar mesmo a crescer – o racionamento seria inevitável, com todas as consequências para a vida da população e para manter a própria economia girando. Este é um dos mais graves sinais da catástrofe que sendo desenhada pelo atual governo.

Teto dos gastos: um ano contra o povo

Editorial do site Vermelho:

Aquele que está entre os principais motivos do golpe de 2016 – a criação de um teto constitucional de gastos públicos, que figura na Emenda Constitucional nº 95 - completou um ano nesta sexta-feira (15).

E os severos golpes contra o uso de recursos públicos em saúde, educação, investimentos do governo e programas sociais cumpriu uma parte da função prevista pelo ajuste fiscal ultraliberal promovido pelo governo de Michel Temer – que transferiu montanhas de dinheiro sonegadas ao investimento público para a especulação financeira desenfreada. O outro pretexto alegado - o equilíbrio das contas do governo – ficou intocado pela política econômica da dupla Temer Meireles, e os multibilionários déficits públicos se acumulam e multiplicaram.

Por que a mídia golpista ataca Gilmar Mendes

Por Eugênio Aragão, no blog Diário do Centro do Mundo:

Notícia de jornal e de hebdomadários é que nem jabuti em árvore. Não chega sozinho lá. Alguém ali o coloca. Para entender noticiário é preciso conhecer a história por detrás dele. Há sempre uma razão para ter este ou aquele título, este ou aquele lead, esta ou aquela abordagem. Há uma intenção latente em cada palavra, em cada frase, em cada parágrafo. O comunicador profissional é um formador de opinião e usa de toda a técnica para atrair o leitor para seu conceito da realidade.

O problema é que o leitor comum é desavisado, distraído. Toma a notícia por seu valor de face e, assim, não é difícil engambelá-lo. Engole qualquer coisa pelo argumento de autoridade: “se foi a Veja que disse, então é verdade”.

Sete chaves para entender a Argentina

Por Martin Granovsky, no site Carta Maior:

Este 14 de dezembro foi um intenso dia de política. Independente de como termine a disputa entre o governo e os aposentados, ninguém pode dizer que entende como o país funciona sem considerar sete chaves:

1) O ímpeto presidencial de jogar duro e aproveitar a força adquirida com a vitória nas eleições legislativas em outubro para produzir a maior quantidade possível de mudanças em favor da agenda conservadora, e o mais rápido possível.

71% dos juízes são foras da lei

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Os números pedidos pela presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármem Lúcia, aos tribunais de justiça de todo o país mostra quão estarrecedor é o quadro de super-salários no Judiciário.

71,4% dos juízes – 11,6 mil do total de 16 mil existentes no país – ganha acima do teto de R$ 33,763 por mês que Cármem e seus colegas de STF recebem e estão, portanto, com vencimentos fora da lei constitucional.

Aliados entregam Gilmar Mendes às baratas?

Do blog Nocaute:

Alguns meses atrás, o jornalista Lucas Ferraz, o mesmo que revelou o caso do aeroporto de Cláudio (MG), onde o governo de Minas Gerais gastou R$ 14 milhões para construir um aeroporto dentro da fazenda do tio de Aécio Neves que à época era governador do Estado, publicou pela Agência Publica uma matéria na qual mostra a aquisição pelo governo do Mato Grosso da faculdade criada por Gilmar Mendes e sua família em Diamantino, no interior do estado. A ação é alvo de inquérito civil do Ministério Público que apura a legalidade do negócio, fechado há quatro anos ao custo de R$ 7,7 milhões.

Gentili perde mais uma para Maria do Rosário

Por Katia Guimarães, no blog Socialista Morena:

Em decisão unânime, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) determinou nesta quinta-feira, dia 14 de dezembro, a retirada de todas as redes sociais do vídeo em que o apresentador de TV Danilo Gentili faz ofensas contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). Os desembargadores negaram recurso ao humorista, confirmando decisão anterior do relator do caso, desembargador Túlio Martins, que considerou o vídeo “misógino”.

Fake news vão completar um século

Ilustração: Helder Oliveira
Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Num país com nosso histórico de fraudes e mentiras, é realmente curioso que o tema fake news cause tanto furor entre brasileiros e brasileiras. Até parece que foi preciso aguardar pela invenção da internet e das redes sociais para que as falsificações tivessem curso em nossa vida social, sendo utilizadas como instrumento frequente nas lutas políticas. Só para refrescar a memória, vamos lembrar alguns episódios, nos tempos em que se mentia deliberadamente, com papel e tinta.

Para impedir que a discussão seja contaminada por questões do presente, como a AP 470, ou a Operação Lava Jato, vamos falar de fraudes e manipulações indiscutíveis, estabelecidas por historiadores e estudiosos em geral: